Sem fronteira, sem limites!


A 1ª Travessia de Canoagem pela Tríplice Fronteira aconteceu no dia 28 de novembro de 2017 organizada por Norte Aventura.

 

 

Brasileiros, uruguaios e argentinos encontraram-se em Barra do Quaraí e remaram até a Ilha Brasileira.

 

 

Ali foram recepcionados pela ONG Atelier Saladero que os esperava para o almoço -- um saboroso peixe frito. Logo após, uma breve explanação sobre a Ilha Brasileira e uma visita guiada pelas trilhas até a casa do Seu Zeca.

 

 

 

 

A pesca esportiva do Dourado nos rios da Tríplice Fronteira




O "Caso da Ilha Brasileira"




Um execelente estudo intitulado "O Caso da Ilha Brasileira" de autoria do Coronel Wilson Ruy Mozzato Krukoski encontra-se na página Fronteiras e Limites do Brasil da Segunda Comissão Brasileira Demarcadora de Limites, do Ministério das Relações Exteriores.

 

>> Fronteiras e Limites do Brasil



 

Em homenagem ao seu Zeca a ONG Atelier Saladero ergueu um cruzeiro na parte mais alta da ilha. Na ocasião, foi realizada a Primeira Missa da Ilha Brasileira rezada pelo Padre Silvano de Aquino Melo

 

 

Cartaz feito pela ONG Atelier Saladero e distribuído nas cidades de Barra do Quaraí, Bella Unión e Monte Caseros. "Padre Silvado de Aquino Melo irá rezar por você, pelo mundo e pela alma do seu Zeca no coração da Tríplice Fronteira: a Ilha Brasileira".

 



Pedalando Trinacional "O Meio Ambiente não tem fronteiras!"





O Cardeal Amarelo, uma ave rara e em extinção, é uma das atrações do Parque

 




Parque Espinilho: estudante barrense é premiado no Rio de Janeiro





Parque Estadual do Espinilho: Unidade de Preservação em abandono?




 

Pelas trilhas da Ilha Brasileira



* Contato íntimo com a Natureza


Percorrer as trilhas é a maneira mais interessante de conhecer a Ilha Brasileira, este exuberante santuário de árvores nativas.

 

Essas trilhas proporcionam uma alegre caminhada pela mata, onde se pode observar a diversidade da flora e fauna existente, como também, caminhar pela margem do Rio Uruguai, contemplando a grandeza da paisagem trinacional.

 

* Projeto "Trilhas da Ilha"

 

A Ilha Brasileira é cortada por trilhas que ligam vários locais significativos de seu ambiente a pontos históricos. Com o tempo e o abandono, essas trilhas foram desaparecendo, encobertas pela vegetação.

 

No ano de 2016, a ONG Atelier Saladero iniciou um projeto de recuperação desses caminhos usados pelo seu Zeca e por famílias de pescadores na década de 50.

 

 

O resultado foi bastante revelador.

 

"As trilhas proporcionam um instrutivo passeio de Educação Ambiental, pois, formam verdadeiras avenidas por entre árvores nativas que foram extintas no continente em razão das lavouras extensivas..." comenta Argemiro Rocha, militante da ONG Atelier Saladero.

 

 

A primeira trilha recuperada foi batizada de "Leão Baio". Ela começa no pontão da ilha, onde está o Cruzeiro da Primeira Missa e vai até a casa do seu Zeca, na região central.

 

"A Ilha Brasileira tem uma riqueza histórica, cultural e ambiental ainda a ser revelada. Pouco conhecemos sobre ela. Desde os segredos do cemitério indígena, à vida do seu Zeca, o Guardião da Ilha, ao Marco Imperial, construído em 1862", explica Argemiro Rocha.

 


* A Casa do seu Zeca

 

Depois dessa incrível caminhada, contemplando a flora e fauna de um ecossistema único, chega-se, por fim, à casa do seu Zeca. Ali, ele passou 40 anos de sua existência, cuidando da família e ajardinando a ilha. Militantes da ONG explicam aos visitantes como foi a vida do Guardião da Ilha Brasileira.

 

 

 

A seguir, toma-se outra trilha que vai ao acampamento montado pelos militantes da ONG desde bem cedo da manhã. Os visitantes são esperados com um reconfortante aperitivo com os limões da ilha e um saboroso almoço: peixe frito bem fresquinho, feito na hora. Geralmente, ele é comprado no mesmo dia, no acampamento dos pescadores ao longo da costa.


"Nada se compara a esse peixe frito em fogo de chão por experientes pescadores dos rios trinacionais. Tem um sabor especial comer o peixe na ilha, na clareira de um acampamento, em uma roda de conversa" explica Argemiro Rocha.

 

 

Há vários anos a ONG promove essas visitas guiadas pelo ambiente e pela história da Ilha Brasileira, o último pedaço de chão a oeste do Rio Grande. Todos conservam uma foto, uma lembrança e um sabor desse almoço na ilha.

 

 

Depois do almoço, uma visita ao Marco Imperial. Ali é recordado o esforço do Império Brasileiro em estabelecer os limites nacionais em tempos de conflitos entre as fronteiras.

 


Por fim, entra-se novamente no barco e um merecido descanso em uma pequena e belíssima praia argentina...

 




ONG realiza catálogo de árvores nativas na ilha

 


No dia 30/10/2005, a ONG Atelier Saladero conversa com antigos moradores locais sobre seus anos de "vivência pelas matas". Foram mais de 100 árvores catalogadas. Segue abaixo algumas delas com comentários feitos por antigos lenhadores:

 

* Açoita Cavalo - "Árvore sombrosa, madeira resistente, serve para fazer cabo de machado, cabos de ferramentas, enxadas, pás, é muito boa".

 

* Camboatá - "Madeira simples da fronteira, brota na encosta dos rios, serve para lenha e dá um fruto que alimenta o peixe."

 

* Tarumã de Espinho - "É uma árvore muito dura, conhecida também como Sombra de Touro; seu fruto é alimento para os peixes e outros animais."

 

* Talera (Espora de Galo) - "Fruta miudinha e saborosa; a gente come bastante; boa para o peixe. A ramagem dela muito enrredada".

 


* Mata Olho - "Essa árvore tem uma fruta que o peixe gosta muito; serve até para fazer isca; quando está bem madura tem o tamanho de um figo, tem cheiro forte. Chama Mata Olho porque a lenha faz uma fumaça ardida."

 

* Ingá - "Dá nas encostas, o fruto é uma vagem. O madeiro do Ingá é muito fraco, leve, por pouca coisa o Ingá cai porque tem pouca segurança, mas brota muito pelas encostas".


* Sangue de Grau - "Árvore comum, não se aproveita a madeira, nem sequer para lenha, porque é leve, flutua com faciliade na água. É árvore bonita, delgada, clara, comprida"


* Marmeleiro - "De tronco vigoroso e alto é boa árvore. A gente não pode cortar a árvore verde, mas quando está no chão, caída, a do Marmeleiro é boa para o fogo, para fazer carvão".

 

 

 

 

  • Comentário:


Nome:
Email:
Mensagem: