Sangue de Boi
(Pyrocephalus rubinus)
Azulinho
(Cyanoloxia glaucocaerulea)
Martim-Pescador
(Chloroceryle americana)
Trinca-ferro
(Saltator similis)
Sabiá do Banhado
(Embernagra platensis)
Cardeal
(Paroaria coronata)
Caracará
(Caracara plancus)
Marreca de Coleira
(Callonetta leucophrys)
Falcão de coleira
(Falco femoralis)
Bacurau tesoura
(Hydropsalis torquata)
Marreca Cricri
(Anas versicolor)
Carão
(Aramus guarauna)
Crispim
(Tapera naevia)
Arapaçu platino
(Drymornis bridgesii)
Olho-de-Ouro
(Hemitriccus margaritaceiventer)
Alegrinho
(Serpophaga subcristata)
Maria Cavaleira
(Myiarchus ferox)
Iraúna de Bico Branco
(Procacicus solitarius)
Sanhaço de Fogo
(Piranga flava)
 
 
São mais de 185 espécies de aves já catalogadas no Parque Estadual do Espinilho. Treze delas estão ameaçadas de extinção. No local elas ficam protegidas. Elas emprestam o canto e a beleza para completar o espetáculo de preservação no parque.

 



Uma região de muitos pássaros




Pica-Pau da Barriga Preta fotografado na Ilha Brasileira
(Wilamir Branco)

 

O pica-pau é uma ave relativamente fácil de ser identificada na natureza por ser um hábil “cavador de buracos em troncos”, o que faz com seu forte bico a procura de alimentos. Vocalizam de forma estridente, sendo por isto conhecidos por “gritadores”, utilizando o “tamborilar” como meio de comunicação. O “tamborilar” é a batida que seu bico faz no tronco de uma árvore arvore produzindo um som que alcança grandes distâncias. Serve também para delimitar território.

 

O turismo de observação de aves avança a
passos largos por toda a região

 

No Parque Estadual do Espinilho se podem ver espécies de aves que não são encontradas em nenhuma outra parte do país. A unidade de conservação protege os últimos remanescentes de vegetação – ou estepe parque – no Brasil, uma formação vegetal com aspecto de savana.

 

O Parque tem área de 1.617 ha e situa-se no extremo oeste do Rio Grande do Sul, no município de Barra do Quaraí. Abrange áreas em ambas as margens da BR-472, bem próximo à sede do município, e é cortado pelo arroio Quaraí-chico, afluente do rio Uruguai.

 

Uma inovação desta viagem foi a ida até a localidade de Pai Passo (30°16’25”S, 57°25’45”W), acessada por uma estrada de chão que passa ao sul do Parque. Uma visita bastante proveitosa, pois, rendeu várias espécies que não se havia registrado ainda no Parque do Espinilho.

 

 

Observamos um total de 112 espécies, sendo 93 dentro do Parque.


Fizemos o segundo registro no Rio Grande do Sul do pica-pau-anão-barrado e outros importantes registros de espécies raras, como o cardeal-amarelo, o olho-de-ouro, o alegrinho-trinador, a maria-cavaleira e a iraúna-de-bico-branco.

 

O sanhaço-de-fogo, o pica-pauzinho-verde-carijó, o gaviãozinho e o caneleirinho-verde só foram observados no Pai Passo. Em compensação, não registramos duas das especialidades do Parque, que são o corredor-crestudo e o rabudinho, o que pode refletir um escasseamento dessas espécies.

 

A precariedade da segurança do Parque do Espinilho permanece inalterada. Não há guarda-parques para protegê-lo. A sede conta com vigilância terceirizada. Mesmo assim, o turismo de observação de aves avança a passos largos por toda a região, mesmo que ainda na completa informalidade, e o Parque segue sendo o destino principal dos observadores.


ESPÉCIES REGISTRADAS

PERDIZ (Nothura maculosa)
TACHÃ (Chauna torquata)

MARRECA-PÉ-VERMELHO (Amazonetta brasiliensis)
MARRECA-PARDINHA (Anas flavirostris)
MARRECÃO (Netta peposaca)

MERGULHÃO-GRANDE (Podicephorus major)
CABEÇA-SECA (Mycteria americana)

BIGUÁ (Phalacrocorax brasilianus)

SOCÓ-BOI-VERDADEIRO (Tigrisoma lineatum)
GARÇA-MOURA (Ardea cocoi)
GARÇA-BRANCA-GRANDE (Ardea alba)
MARIA-FACEIRA (Syrigma sibilatrix)
GARÇA-BRANCA-PEQUENA (Egretta thula)

MAÇARICO-PRETO (Plegadis chihi)
MAÇARICO-DE-CARA-PELADA (Phimosus infuscatus)
MAÇARICO-REAL (Theristicus caerulescens)
COLHEREIRO (Platalea ajaja)

URUBU-DE-CABEÇA-VERMELHA (Cathartes aura)
URUBU-DE-CABEÇA-AMARELA (Cathartes burrovianus)

GAVIÃO-DO-BANHADO (Circus buffoni)
GAVIÃOZINHO (Accipiter striatus)
GAVIÃO-CABOCLO (Heterospizias meridionalis)
GAVIÃO-CARIJÓ (Rupornis magnirostris)

CARÃO (Aramus guarauna)

SARACURUÇU (Aramides ypecaha)
SARACURA-TRÊS-POTES (Aramides cajaneus)
GALINHOLA (Gallinula galeata)

QUERO-QUERO (Vanellus chilensis)

JAÇANÃ (Jacana jacana)

ROLINHA-PICUÍ (Columbina picui)
POMBÃO (Patagioenas picazuro)
POMBA-DO-ORVALHO (Patagioenas maculosa)
POMBA-DE-BANDO (Zenaida auriculata)
JURITI-PUPU (Leptotila verreauxi)

ANU-BRANCO (Guira guira)

CORUJINHA-DO-MATO (Megascops choliba)
BEIJA-FLOR-DOURADO (Hylocharis chrysura)

MARTIM-PESCADOR-GRANDE (Megaceryle torquata)
MARTIM-PESCADOR-VERDE (Chloroceryle amazona)

PICA-PAU-ANÃO-BARRADO (Picumnus cirratus)
PICA-PAU-BRANCO (Melanerpes candidus)
PICAPAUZINHO-VERDE-CARIJÓ (Veniliornis spilogaster)
PICAPAUZINHO-CHORÃO (Veniliornis mixtus)
PICA-PAU-VERDE-BARRADO (Colaptes melanochloros)
PICA-PAU-DO-CAMPO (Colaptes campestris)

CARACARÁ (Caracara plancus)
CHIMANGO (Milvago chimango)
QUIRIQUIRI (Falco sparverius)
FALCÃO-DE-COLEIRA (Falco femoralis)

CATURRITA (Myiopsitta monachus)

CHOCA-DE-BONÉ-VERMELHO (Thamnophilus ruficapillus)
CHOCA-DA-MATA (Thamnophilus caerulescens)

ARAPAÇU-PLATINO (Drymornis bridgesii)
ARAPAÇU-DO-CERRADO (Lepidocolaptes angustirostris)

JOÃO-DE-BARRO (Furnarius rufus)
TREPADOR-QUIETE (Syndactyla rufosuperciliata)

COPERETE (Pseudoseisura lophotes)
TIO-TIO-PEQUENO (Phacellodomus sibilatrix)

GRAVETEIRO (Phacellodomus ruber)
COCHICHO (Anumbius annumbi)
BICHOITA (Schoeniophylax phryganophilus)

PETRIM (Synallaxis frontalis)
LENHEIRO (Asthenes baeri)
ARREDIO (Cranioleuca pyrrhophia)

CANELEIRINHO-VERDE (Pachyramphus viridis)

OLHO-DE-OURO (Hemitriccus margaritaceiventer)

BARULHENTO (Euscarthmus meloryphus)
RISADINHA (Camptostoma obsoletum)
SUIRIRI-CINZENTO (Suiriri suiriri)
ALEGRINHO (Serpophaga subcristata)
ALEGRINHO-TRINADOR (Serpophaga griseicapilla)
MARIA-CAVALEIRA (Myiarchus ferox)
BEM-TE-VI (Pitangus sulphuratus)
SUIRIRI-CAVALEIRO (Machetornis rixosa)
SUIRIRI-PEQUENO (Satrapa icterophrys)
PRIMAVERA (Xolmis cinereus)
NOIVINHA-COROADA (Xolmis coronatus)
NOIVINHA (Xolmis irupero)

GENTE-DE-FORA-VEM OU PITIGUARI (Cyclarhis gujanensis)

GRALHA-PICAÇA (Cyanocorax chrysops)

ANDORINHA-DE-TESTA-BRANCA (Tachycineta leucorrhoa)

CORRUÍRA (Troglodytes musculus)

BALANÇA-RABO-DE-MÁSCARA (Polioptila dumicola)

SABIÁ-LARANJEIRA (Turdus rufiventris)
SABIÁ-POCA (Turdus amaurochalinus)

SABIÁ-DO-CAMPO (Mimus saturninus)
CALHANDRA-DE-TRÊS-RABOS (Mimus triurus)

CAMINHEIRO-ZUMBIDOR (Anthus lutescens)

TICO-TICO (Zonotrichia capensis)

MARIQUITA (Setophaga pitiayumi)
PULA-PULA (Basileuterus culicivorus)
PULA-PULA-ASSOBIADOR (Myiothlypis leucoblephara)

IRAÚNA-DE-BICO-BRANCO (Procacicus solitarius)
ENCONTRO (Icterus pyrrhopterus)
ASA-DE-TELHA (Agelaioides badius)
VIRA-BOSTA (Molothrus bonariensis)
VIRA-BOSTA-PICUMÃ (Molothrus rufoaxillaris)
POLÍCIA-INGLESA (Sturnella superciliaris)

TRINCA-FERRO-VERDADEIRO (Saltator similis)
SABIÁ-GONGÁ (Saltator coerulescens)
BICO-DURO (Saltator aurantiirostris)
SANHAÇU-FRADE (Stephanophorus diadematus)
CARDEAL (Paroaria coronata)
SANHAÇU-PAPA-LARANJA (Pipraeidea bonariensis)
QUEM-TE-VESTIU (Poospiza nigrorufa)
CAPACETINHO (Poospiza melanoleuca)
CANÁRIO-DA-TERRA-VERDADEIRO (Sicalis flaveola)

TIPIO (Sicalis luteola)
CARDEAL-AMARELO (Gubernatrix cristata)

SANHAÇU-DE-FOGO (Piranga flava)
AZULÃO (Cyanoloxia brissonii)

PARDAL (Passer domesticus)

COA-POA registra nova espécie no Rio Grande do Sul

 


 

BARRA DO QUARAÍ-RS - A revista Atualidades Ornitológicas (www.ao.com.br) publicou, em sua edição de janeiro/fevereiro de 2015, a nota intitulada “Primeiro registro de Picumnus cirratus no Rio Grande do Sul, Brasil”, de autoria de cinco membros do Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre (Cesar Rodrigo dos Santos, Antônio Coimbra de Brum, Walter Hasenack, Helena Backes e Glayson Ariel Bencke).


A nota relata o primeiro registro confirmado do pica-pau-anão-barrado no RS, que aconteceu durante a excursão do clube ao Parque Estadual do Espinilho, em junho de 2014. Na ocasião, diversos excursionistas visualizaram e fotografaram a ave.


Esta é a segunda espécie que o COA adiciona à lista de aves do RS. A primeira foi o chocão-carijó (Hypoedaleus guttatus), registrado no Parque Estadual do Turvo em 1986. O achado foi divulgado na edição de abril de 1987 do periódico argentino Nuestras Aves (www.avesargentinas.org.ar).

 

Na foto acima: fêmea de pica-pau-anão-barrado Picumnus cirratus, fotografado no Parque Estadual do Espinilho, Barra do Quaraí, RS. Foto: Cesar Rodrigo dos Santos.

 

 



  • Comentário:


Nome:
Email:
Mensagem:





Cardeal Amarelo
"O Guerreiro dos Pampas"




"É um pássaro de extraordinária beleza física e sonora.Mais uma vez a observação dessa espécie vistosa e criticamente ameaçada no Rio Grande do Sul foi um dos pontos altos da nossa viagem. Sem dúvida, era a maior expectativa do grupo! O primeiro encontro foi com um macho isolado que estava cantando no topo de um espinilho. Mais adiante (700 m desse ponto), localizamos um casal, cujo macho estava anilhado. Não foi preciso playback para localizar a espécie".

Caneleiro Verde
(Pachyramphus viridis)
Corredor Crestudo
(Coryphistera alaudina)
Rabudinho
(Leptasthenura platensis)
Maçarico Real
(Theristicus caerulescens)
Gavião Carijó
(Rupornis magnirostris)
Pica Pau do Campo
(Colaptes campestris)
Choca de Chapéu Vermelho
(Thamnophilus ruficapillus)
Coperete
(Pseudoseisura lophotes)
Graveteiro
(Phacellodomus ruber)
Lenheiro
(Asthenes baeri)
 

O Cardeal Amarelo, uma ave rara e em extinção, é uma das atrações do Parque

 



Em formação, o Conselho do Parque Estadual do Espinilho




Parque Espinilho: estudante barrense é premiado no Rio de Janeiro





Parque Estadual do Espinilho: Unidade de Preservação em abandono?




A Ilha Brasileira, um santuário ecológico entre três países

 



ONG quer transformar Ilha Brasileira em reserva municipal

 




Seu Zeca, o Guardião da Ilha Brasileira na simplicidade de sua vida dedicada ao meio ambiente

 





Jornal Semanário


O semanário "A Ponte" circula em todo o município da Barra do Quaraí, Bella Unión (Uruguai) e Monte Caseros (Argentina).