No dia 8 de outubro de 2015 reuniram-se no Barra Hotel, em Barra do Quaraí, a Gestora do Parque do Espinilho, Bióloga Tatiane Uchoa, o representante regional da Área de Meio Ambiente da CORSAN, João Noronha e Argemiro Rocha, Presidente da ONG Atelier Saladero. Entre os temas abordados, destacou-se a formação do Conselho do Parque do Espinilho, as parcerias necessárias para um desenvolvimento pleno de ações coordenadas em prol da flora e da fauna local.

Sangue de Boi
(Pyrocephalus rubinus)
Azulinho
(Cyanoloxia glaucocaerulea)
Martim-Pescador
Chloroceryle americana
Trinca-ferro
(Saltator similis)
Sabiá do Banhado
(Embernagra platensis)
Cardeal
(Paroaria coronata)
Caracará
(Caracara plancus)
 
São mais de 185 espécies de aves já catalogadas no Parque Estadual do Espinilho. Treze delas estão ameaçadas de extinção. No local elas ficam protegidas. Elas emprestam o canto e a beleza para completar o espetáculo de preservação no parque.

 

Fundação do Conselho do Parque Estadual do Espinilho

 


26/04/2017 - Data oficial da formação do Conselho do Parque Estadual do Espinilho - Associação Comunitária de Guterrez.

 


A formação do Conselho encerra um processo iniciado em 2015 com a realização de inúmeras reuniões entre a equipe gestora do Parque e a comunidade de Barra do Quaraí. 


Após três horas de construção coletiva ficou definida a formação do conselho que será composto por 27 instituições governamentais e da sociedade civil, incluindo ONGs, prefeitura, sindicatos e associações comunitárias além de órgãos de pesquisa e extensão.

 

A diretora do Departamento de Biodiversidade da Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema) Liana Barbizan explica que a formação do conselho é o resultado do empenho dos servidores da Sema e da comunidade local para a consolidação do Parque Estadual do Espinilho.

 
A reunião foi realizada no Salão Comunitário de Guterres e contou com a participação de mais de 40 pessoas, representando instituições locais, regionais, nacionais e internacionais: Delegacia Fluvial de Uruguaiana, Associação dos Arrozeiros de Uruguaiana, ONG Atelier Saladero, ONG Grupama, ONG Associción Rio Mocoretá, Sindicato Rural de Barra do Quaraí, Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí, Unipampa, IRGA, CORSAN, Brigada Militar e Patrulha Ambiental, 10ª Coordenadoria Estadual de Educação, Agroplan Empresas, SINDAG, CEOLIN, Escola Municipal, EMATER, secretarias Municipal de Agricultura e do Meio Ambiente e Turismo de Barra do Quaraí, Câmara de Vereadores, Polícia Rodoviária Federal, GRUPAMA, Administracion do Parque Rincon de Franquia.

 

 

 

Em formação o Conselho do Parque

 

Aguarda-se para o início de março de 2017 a Assembléia Geral de homologação oficial do Conselho do Parque Estadual do Espinilho. A última reunião setorial com entidades de Educação e Pesquisa, Trabalhadores e Comunidade local aconteceu no dia 15/12/2016, em Barra do Quaraí.

 

A Gestora do Parque, Tatiane Uchoa, apresenta às entidades as normas que regem o Conselho Consultivo. Militantes da ONG Atelier Saladero participaram e colaboraram com informações e experiências na área ambiental.

 

“Por fim, estamos na reta final. O Conselho é uma forma da comunidade conhecer nosso Parque, se envolver e colaborar com a gestão, com as próprias decisões a serem tomadas. Isso faz com que haja um compromisso maior de quem estiver nesse Conselho”, salientou Argemiro Rocha, Presidente da ONG.




08 de agosto de 2015 - A Gestora do Parque Estadual do Espinilho, Tatiane Uchoa, convidou a ONG Atelier Saladero, da Barra do Quaraí, para participar de reunião que estabelece os fundamentos da criação de um Conselho do Parque formado por entidades com o objetivo de avaliar ações em pauta na Unidade de Conservação. Tamb ém atendeu ao convite a organização não-governamental, Grupama, de Bella Unión que apresentou sugestões relevantes sobre o planejamento das ações com vistas a concretizar a grande idéia de um Corredor Biológico Trinacional.



Problemas

Diversos problemas foram apontados pelos participantes da reunião quando se trata do Parque do Espinilho: falta de conhecimento sobre a riqueza ambiental da reserva, falta de divulgação, falta de educação ambiental nas escolas e na comunidade e falta fiscalização dos agentes ambientais. Existe também falta de pessoal para administrar o Parque, falta estrutura. A própria rodovia BR 472 é um problema crônico.

Foi mostrado que o agrotóxico das lavouras, bem como a puverização, está envenenando o ecossistema existente, os caçadores entram e saem livremente. Falta apoio do governo estadual.
Durante os 34 anos de existência do Parque do Espinilho, diversos pesquisadores estiveram no local, realizaram seus trabalhos, mas praticamente nada retornou para o Parque de forma a se manter um acervo de todo esse material científico para o conhecimento dos visitantes..

Soluções

Referente à BR 472 debateu-se uma forma de diminuir a velocidade em certos trechos e sinalizar a área com placas indicativas da proximidade da Reserva. Sobre o Parque, uma solução é a imediata formação do Conselho do Parque do Espinilho, o estabelecimento de parcerias para criação de material de divulgação ambiental, criação de um roteiro turísco municipal que inclua o Parque e insistir na Educação Ambiental, em fiscalização, em fazer cumprir o Plano de Manejo, buscar investimentos, medidas compensatórias, convênios com universidades e recorrer ao Ministério Público. Surgiu a idéia de se elaborar um material impresso sobre educação ambiental referente à flora e fauna do Parque e fazer ampla divulgação nas escolas.



Portal do Parque do Espinilho projetado pelo artista plástico José Goittia, integrante da ONG Atelier Saladero.



Março de 2006: Inauguração do Parque Estadual do Espinilho



No dia 28 de março de 2006, na área destinada ao Parque Estadual do Espinilho, realizou-se a solenidade referente à inauguração de obras na reserva.

 

 

O fato foi considerado nos discursos como de grande relevância para o município de Barra do Quaraí e para a preservação do meio ambiente. Todos reconheceram a urgência da construção da Sede do Parque com a maior brevidade..
Autoridades afirmaram que a partir do ano de 2006, a Gerência do Parque buscará realizar parcerias, entre as quais, com a ONG Atelier Saladero, com a Prefeitura Municipal e com o Sindicato Rural, como também criar projetos sociais e ambientais.
Esta nova postura perante a comunidade e perante as entidades não-governamentais do Brasil, Uruguai e Argentina que lutam pela preservação ambiental abriu perspectivas de uma consciência ecológica mais ativa.
O Prefeito de Barra do Quarai, Maher Jaber, mostrou a relevância do ato referente ao início das obras no Parque. Agradeceu a parceria da ONG Atelier Saladero na conscientização ambiental junto à comunidade regional.
Estiveram presentes as seguintes autoridades: Dra. Berenice Marques, Gerente do Parque do Espinilho, Secretário Estadual do Meio Ambiente, representando o Governador Germano Rigotto - Sr. Mauro Esparta; Chefe do Departamento de Florestas e Áreas Protegidas da SEMA - Vera Pitoni, Vice-Presidenta da AES; o Diretor da AES Uruguaiana; o Biólogo Francisco Valls De Moraes, Chefe do Departamento do Meio Ambiente de Uruguaiana, representando o Prefeito dessa cidade, Sr. Sanchotene Felice.



Março de 2010: Parque do Espinilho abre ao público



Francisco Valls, Gestor do Parque do Espinilho, no ato de inauguração das obras na Unidade de Conservação. Em sua gestão, diversas benfeitorias foram realizadas bem como ações de educação ambiental nas comunidades da Tríplice Fronteira.
Três décadas e meia depois de sua criação oficial, o Parque do Espinilho foi aberto ao público em ato inaugural no dia 30 de março de 2010. Até o momento, a reserva recebeu um investimento de R$ 6 milhões das iniciativas pública e privada
Francisco Valls falou à imprensa declarando "que o Espinilho abrirá ao público com sede administrativa, recepção, banheiros, sala para reuniões e educação ambiental e apartamentos para dois guardas". Essa estrutura faz parte de um projeto inicial para concretizar a efetiva abertura do parque para a visitação.
Durante o evento, autoridades lembraram que uma das principais fontes de recursos para a concretização do Parque foi a compensação ambiental da construção da usina termelétrica da AES Uruguaiana. Foram destinados R$ 2, 5 milhões..
A Receita Federal fez a doação de uma camionete e duas motos. O Ministério Público, uma camionete dupla para a vigilância. O Estado repasosu R$ 300 mil investidos em placas de sinalização. O horário de visitação e o valor dos ingresso não foram definidos
Segundo o jornal Zero Hora (26/03/2010) desde o ano 2008 havia denúncias de caça e queimadas ilegais. Os 23 mil metros de cercas foi uma tentativa para coibir a ação dos invasores. O Estado adquiriu parte das terras que ainda pertencia aos fazendeiros.
Representando o Estado, estiveram presentes, o secretário adjunto do Meio Ambiente, Giancarlo Tusi Pinto, Luiz Alberto Mendonça, Maher Jaber e entidades representativas da Tríplice Fronteira.



  • Comentário:


Nome:
Email:
Mensagem: