Sensação no meio rural é de desamparo



Uma das maiores chagas no campo é o abigeato que apresenta tendência de alta

 

As longas distâncias dos centros urbanos, as áreas retiradas, os vizinhos afastados, são elementos que tornam o produtor uma presa fácil para a ação de criminosos.

 

– Nos últimos quatro anos, os números vem subindo. O contingente do efetivo, o avanço do desemprego e a impunidade são fatores que contribuem para isso – avalia o tenente-coronel Rogério Martins Xavier, coordenador do Comitê de Prevenção ao Abigeato e à Carne Clandestina do Estado.

 

No ano passado, o governo do Estado criou também as unidades especializadas de fronteira, equipes volantes voltadas ao atendimento de 197 municípios da Fronteira Oeste. São formadas por integrantes da Brigada Militar (com 50 policiais militares), coordenadoria da Polícia Civil (com cinco policiais) e do Instituto Geral de Perícias.

 

O abigeato não é o único crime registrado no meio rural. Há ainda furtos de produtos agrícolas e assaltos às propriedades, que assustam agricultores e engrossam as estatísticas. (Fonte: Gisele Loeblein - 20/02/2016)




Comitê de Gerenciamento das Águas Estaduais da Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí





Autoridaes uruguaias vistoriam ponte internacional que liga Barra do Quaraí a Bella Unión





O homem do campo é responsável por 80% do PIB da Barra do Quaraí


A história de seu povo é a do homem do campo, com suas tradições e respeito à Natureza.

 

 

O cavalo crioulo, pedestal do gaúcho, promove o município nacionalmente, nas provas do Freio de Ouro e Hipismo de Esteio.

 


As cabanhas da Barra do Quaraí, algumas de renome internacional, são verdadeiros bancos de genética.

 

 

Na agricultura, a lavoura de arroz irrigado constitui o carro chefe do agronegócio. As lavouras de sorgo, milho e soja são irrigadas com alta tecnologia, ou seja, por aspersão utilizando o pivô central.

 


Na bovinocultura de corte, destacam-se as raças Hereford e Braford, produtoras de carne nobre. Na raça leiteira, encontramos a vaca Holandesa. Na ovinocultura, raças tipo lã: Ideal e Merino Australiano

 

 

Abigeato preocupa autoridades e fazendeiros da fronteira



O abigeato não é apenas uma conduta penal criminosa, é um crime que causa prejuízos sociais e econômicos a todo o Estado, permitindo a circulação de carne ilegal no mercado, que pode inclusive comprometer a saúde pública. A incidência crescente do abigeato exige um investimento maior do Estado na investigação e repressão.

 

O presidente do Sindicato Rural de Alegrete, Pedro Piffero, defende uma integração entre os diversos órgãos governamentais em prol da causa. “O que precisamos, de imediato, é do projeto de uma delegacia regional específica para o abigeato como já houve há alguns anos; aumentar o efetivo da Brigada Militar; trazer de volta o programa Ações Integradas de Segurança Rural e a
realização de forças-tarefas, enquanto a delegacia não vem, já que isso demora” concluiu.


 

Segundo agropecuaristas "estamos vivendo um momento que não sabemos quantos animais vão ser abatidos no mês, sendo até mesmo audaciosos no tipo e características padronizadas dos abigeatários, os quais abatem e logo após voltam somente para apanhar os animais, chegando até mesmo a levarem quatro ou cinco de cada vez, escolhendo as propriedades como ordem de abate".


"Nosso desespero é por que já não esta sendo viável possuir no plantel um animal de puro de pedigree, onde seu valor é incalculável, e os abigeatários matam e vendem sua carne por valores irrisórios".

 

Em 2015, em apenas 2 meses, em fazendas da Barra do Quaraí foram abatidos 32 animais, alguns deles de raça.

 

Os proprietários comentam que "cansamos de fazer o registro, isto se tornou um mero costume para fins de estatísticas, sem resultado efetivo algum, pois os abigeatários chegam a voltar na próxima noite para fazer outro abigeato na mesma propriedade".

 

"Hoje, estamos buscando pelos meios legais uma ação rápida, que prendam esses delinquentes e ainda uma efetiva patrulha no meio rural que dê um suporte e segurança aos agropecuaristas que aplicam e acreditam em uma criação que é nata destes municípios".





* Parceria Charrua



Através de sua página do Facebook, o grupo Parceria Charrua publicou as seguintes informações e fotos:

 

"Atenção! Cuidado com a carne que você está consumindo.
"Verifique a procedência. Esta pode estar vindo de furtos que são realizados quase que diariamente em nossa região. Esses animais abatidos criminalmente podem estar contaminados com algum medicamentos, pois, toda propriedade rural trata seus animais com medicamentos onde o animal por certo período não pode ser abatido e consumido. Fica a dica de sua saúde: cuide de sua família"

 

.

Essas fotos são para que vejam como é abatido o animal, manipulada a carne do furto e o veículo onde é transportada... Cuidado com sua saúde.

Em resposta ao grande número de abigeatos que vem ocorrendo no interior, esta noite encontrarmos um veiculo suspeito na BR 472. Tivemos êxito -- solicitamos apoio da PRF e Brigada Militar. Foram encontrados um animal abatido a tiros, facas e uma arma de fogo calibre 12. Foram presos três elementos em flagrante.

 



  • Comentário:


Nome:
Email:
Mensagem:


"Comunico aos consumidores de "carne sem pesar" de Barra do Quaraí que na noite de sábado para domingo foi carneado touro (reprodutor) Aberdeen Angus da Agropecuária Santo Esteves, distrito de Pai Passo, que se encontrava no potreiro da enfermaria, com Tristeza Parasitária Bovina e medicado com Ganaseg e Terramicina, além de três dias antes ter sido desvermifugado e também feito tratamento a base de cipermetrina (veneno) para a derrubada de carrapatos, necessitando um período de carência de no mínimo 20 dias para o abate e consumo. O animal estava febril com a carne totalmente imprópria para consumo podendo dar complicações à saúde de quem a consumir" (rede social).

 

* A que ponto chegamos! O proprietário roubado avisando que a carne não dá para ser consumida.

 

* Nem avisa que a carne é imprópria para consumo, quem sabe fazendo mal para quem compra, coibia um pouco essas ações!

 

* Quem compra de ladrão de gado merece comer carne envenenada

 

* E continua o mercado ilícito na Barra, colocando em risco a saúde de quem consome. Infelizmente as autoridades não tomam atitudes eficazes.

 

* Pior que todo mundo sabe quem é mas não pode falar senão corre o risco de amanhecer carneado também....

 

* Na tua propriedade foi um caso, na nossa em 3 anos foram 18 animais. Ninguém vê, ninguém sabe de nada e os barcos passeando na costa do Rio ao anoitecer.

 

* Mas, enquanto houver 3 comprando carne roubada sempre vai ter 5 ou 6 roubando. Barra do Quaraí parece uma escola de ladrões de vaca eu morei lá e sei bem. Sou a favor de porte de arma em casa, sim



Comitê de Gerenciamento das Águas Estaduais da Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí




Pedalando Trinacional "O Meio Ambiente não tem fronteiras!"





Ruínas do Saladero: uma comunidade Mercosul nos fins do século XIX

 



A construção de ponte irá unir as cidades de Monte Caseros (Argentina) e Bella Unión (Uruguai)





A Ilha Brasileira, um santuário ecológico entre três países

 





Ações do Movimento Transfronteiriço de ONGs